Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Ruptura de Pseudoaneurisma de Ventrículo Esquerdo minutos após o diagnóstico feito pelo ecocardiograma trans-torácico: imagens pré e pós-ruputra

João Lucas O'Connell , Jessica Cecilio, Eduardo Henrique C. Vitor, Rogério Khalil, Érica Silva, Monique Chiovatto Montes Araújo, Camila Leal Guimarães , Amanda Fernandes do Nascimento, Rodrigo Penha de Almeida, Paulo César Santos
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA - - MG - BRASIL

Introdução:A ruptura da parede livre do VE como consequência do infarto agudo do miocárdio (IAM) é causa de morte súbita, com poucas possibilidades de sobrevivência. Ocasionalmente, a presença de aderências do pericárdio podem conter a rotura cardíaca, levando à formação de um pseudo-aneurisma (falso-aneurisma). 

Relato de caso: Paciente do sexo masculino, de 65 anos, que apresentou quadro de Infarto Agudo do Miocárdio de parede ínfero-lateral, não trombolisado, tendo evoluído Killip I. Feito cineangiocoronariografia 5 dias após o evento inicial: presença de padrão obstrutivo triarterial com estenoses importantes e proximais em artéria descendente anterior e circunflexa e oclusão total da coronária direita. A ventriculografia evidenciou grande extensão de área acinética em parede inferior e imagem sugestiva de “aneurisma” de parede inferior. Foi optado por alta hospitalar e realização de cirurgia de revascularização do miocárdio e possível aneurismectomia de VE ambulatorial. Paciente realizou ecocardiograma transtorácico ambulatorial que identificou a presença de pseudo-aneurisma de parede inferior de VE. Indicado re-internação imediata e programação de abordagem cirúrgica precoce. Entretanto, ao sair da sala de ecocardiografia, paciente apresentou quadro de morte súbita, não revertida após inúmeras manobras de ressuscitação cardiopulmonar (RCP). Durante RCP, foi feito novo ecocardiograma que confirmou imagem sugestiva de derrame pericárdico importante com tamponamento cardíaco. Não houve recuperação do ritmo cardíaco mesmo após a realização da punção de Marfan.  

Discussão e Conclusão:  O pseudo-aneurisma pós-IAM é formado por uma dissecção da parede ventricular causada por um hematoma na região de infarto transmural, ocorrendo o rompimento para o pericárdio que é contida por aderências do pericárdio. A parede do falso aneurisma é frágil pois é formada apenas por camadas de tecido fibroso colágeno do pericárdio, associados ou não a trombos. A ocorrência de pseudo-aneurismas é rara e, quando presentes, afetam mais comumente a parede inferior. Diferentemente dos aneurismas verdadeiros, os falsos aneurismas possuem tendência elevada para rotura, devendo ser operados logo após o seu diagnóstico. A suspeita clinica necessita confirmação por métodos de imagem. A ventriculografia pode sugerir o diagnóstico. Entretanto, em alguns casos, como neste, isto não acontece. O ecodopplercardiograma é um excelente método diagnóstico, com boa sensibilidade, especificidade e baixo custo e pode fazer o diagnóstico precoce, devendo ser realizado antes da alta.  

 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

XXXVIII Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

15, 16 e 17 de junho de 2017
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil