Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Análise comparativa entre pacientes tratados com doses usuais e acima do usual de betabloqueador na insuficiência cardíaca

José Alexandre da Silveira, Gabriel T. De Geroni , Ligia A. Mantovanini , Fernando F. O. Baião, Adriano Meneghini, Maria Odila G. Douglas, João F. M. Ferreira, Antonio C. P. Chagas
Faculade de medicina do ABC - Santo André - SP - Brasil

Fundamento: Muitos pacientes em uso de beta bloqueador nas doses alvo preconizadas pelas diretrizes de insuficiência cardíaca (IC) persistem com valores de pressão arterial e frequência cardíaca relativamente elevadas, entretanto nos registros epidemiológicos não se tem observado a prática da titulação da dose acima desses valores.

Objetivo: Relatar a experiência do serviço na utilização do beta bloqueador em doses superiores ás recomendadas como alvo terapêutico pelas diretrizes atuais de IC.

Delineamento: Estudo retrospectivo epidemiológico.

Métodos: As variáveis clínicas, epidemiológicas e assistenciais foram obtidas a partir da revisão dos prontuários dos pacientes matriculados no ambulatório de IC vinculado á faculdade de medicina na região metropolitana de São Paulo no segundo semestre de 2016. Foram incluídos os pacientes que apresentaram disfunção sistólica significativa (FE< 40%) na primeira visita.  Realizou-se análise descritiva de todas as variáveis do estudo e comparamos quanto à dose de beta bloqueador dois grupos – Grupo 1 - (até dose alvo) e Grupo 2 – (acima da dose alvo). O beta bloqueador usado foi carvedilol cuja dose alvo é 50 mg/dia. O nível de significância foi de 5%. Utilizou-se o programa SPSS statistics 22 for windows para análise estatística.

Resultados: Foram avaliados 139 prontuários de portadores de IC, ocorreu predomínio do sexo masculino (62,3%), idade média foi de 60,9 anos, a etiologia mais prevalente foi a isquêmica (44,6%) e a taxa de hospitalização no último ano foi de 22,5%. O uso de betabloqueador ocorreu em 97,8% dos pacientes, carvedilol foi o mais prescrito da classe e a adesão ao tratamento foi de 90%. Dentre os pacientes em uso de BB, 23,4% a dose foi superior à preconizada pelas diretrizes atuais, nesse grupo a dose variou de 75 a 100 mg/dia de carvedilol. Os grupos 1 e 2 respectivamente diferenciaram-se quanto ao diâmetro diastólico do ventrículo esquerdo (58,4mm x 63,4mm  p=0.046) e fração de ejeção do ventrículo esquerdo (45,4% x 39,5% p=0,035). Não ocorreram diferenças entre os grupos em relação ás outras variáveis epidemiológicas, assim como hospitalização, bradiarritmias significativas, ou necessidade de marcapasso.

Conclusão: Beta bloqueador em dose acima da recomendada como alvo nas diretrizes foi mais frequente nos casos mais graves, caracterizados por maiores diâmetros cavitários e menor fração de ejeção de ventrículo esquerdo, sem comprometer em relação á segurança.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

XXXVIII Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

15, 16 e 17 de junho de 2017
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil